Nikoguru

Top 10 dos conteúdos que mais caem em matemática no ENEM

  • por em 20 de maio de 2021

Para muitos alunos, a prova de matemática é a mais temida do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). O medo é compreensível, uma vez que é um caderno inteiro, 45 questões, de uma só disciplina. Com tantas questões, é normal se perder na hora de estudar. Por isso, priorizar o que mais cai na prova de Matemática do Enem é uma estratégia muito importante de estudo.

Para te ajudar no seu objetivo de conquistar uma vaga na universidade, trouxemos aqui os dez conteúdos mais recorrentes. Foram analisadas as provas de 2009 a 2020, questão por questão. Não deixe de fazer muitos exercícios, porque dominar o conteúdo é importante, mas não é suficiente. Além disso, convidamos o professor de Matemática Alisson Marques a explicar algumas dicas que podem te ajudar a gabaritar na prova. Vamos lá?

Top 10 de conteúdos que mais caem na prova de Matemática do Enem:

1 – Geometria

Certamente, este é o conteúdo que mais cai na prova de Matemática do Enem: representa 25,4% das questões analisadas. Ou seja: um quarto da prova é geometria! O Enem espera que seus conhecimentos geométricos te ajudem a resolver problemas do dia a dia. Além disso, é preciso reconhecer as características de figuras planas e espaciais.

2 – Escala, razão e proporção

Logo depois de geometria, vem este conteúdo, que corresponde a 13,6% das questões analisadas. Muito comum nos vestibulares, pode vir não só na prova de matemática, como também no caderno de Ciências da Natureza e suas Tecnologias. A razão entre dois números é simplesmente o quociente entre eles.

Por exemplo, se em determinada prova de matemática caem 3 questões de geometria e 6 de aritmetica, então a razão entre elas é de 3/6. Simplificando, temos ½. Ou seja, para cada questão de geometria, há duas de aritmética.

A escala é simplesmente a razão entre o tamanho do desenho e o tamanho real do que se representa. É importante que ambos estejam na mesma unidade de medida, ok? Não se esqueça disso!

Finalmente, a proporção é a igualdade entre duas razões. Por exemplo: temos 2 questões de aritmética (QA) para cada de geometria (QG). Se o número de QG dobra e passa a ser 2, teremos 4 QA, para manter a proporção. Para resolver esse tipo de problema com números mais complexos, era só fazer uma regra de três. Veja esta questão da prova de Matemática da IFBA, também muito comum ao ENEM.

3 – Aritmética

As questões que envolvem operações matemáticas representam nada menos que 13% do conteúdo analisado de matemática do Enem! Lembra que falamos aqui sobre a importância da matemática básica? Sem dúvida, é uma matéria que deve ser priorizada nos estudos.

4 – Funções de 1º e 2º grau

Este conteúdo representa 9,1% das questões de matemática do Enem, entre 2009 e 2020. Nem sempre a expressão f(x) (que indica a função) aparecerá no enunciado da questão. Geralmente, é exigido que o aluno interprete a questão e decifre qual operação será usada.

5 – Porcentagem %

As questões de porcentagem, normalmente apresentam um enunciado claro. Contudo, é comum que o conteúdo venha contextualizado em um problema que envolve outras matérias, como matemática financeira – que é bastante comum.

6 – Gráficos e tabelas

Saber analisar gráficos e tabelas é uma habilidade primordial, e não só para a prova de Matemática e suas tecnologias. Questões envolvendo esses recursos também aparecem nas provas de Ciências da natureza e suas tecnologias. Aliás, os gráficos e tabelas são elementos que compõem a questão, e não garantem a sua resolução

Além disso, é necessário que você domine os conhecimentos específicos. 7,8% das questões analisadas possuíam gráficos e tabelas. Os gráficos que mais aparecem são de barra, de setor e de segmento.

Dicas: preste atenção no título do gráfico, veja quais informações correspondem a cada eixo, procure os dados apresentados no enunciado e verifique a escala.

7 – Estatística

Nas questões de estatística, é bem comum cair média aritmética, moda ou mediana. Esse conteúdo caiu dezenas vezes no Enem – 6,8% do total de questões já aplicadas.

8- Probabilidade

Para as questões que envolvem probabilidade, não é suficiente saber apenas as fórmulas da matéria (apesar de ser primordial). É fundamental que você saiba, sobretudo, como aplicá-las dentro do contexto proposto no enunciado. Questões de probabilidade representam 5,8% do todo.

9 – Equações elementares

Em outras palavras, são as equações de 1º e 2º graus. As equações de 1º grau podem aparecer explícitas, em meio a um problema ou dentro de tabelas e gráficos. Para que a equação possa ser considerada como de 1º grau, o expoente da incógnita deve ser 1.

Toda equação do 1° grau pode ser expressa na forma: a · x + b = 0. Sendo que: a e b são números reais e a ≠ 0; e a letra x é chamada de incógnita, pois ela representa um valor desconhecido.

A equação de 2º grau pode estar explícita ou não, mas sempre obedecerá à forma ax² + bx + c = 0 (a, b e c são os coeficientes da equação (a ≠ 0), e x é a variável). Ela pode ter uma solução, duas ou nenhuma.É provável que você encontre uma equação de 2º grau incompleta. Nesse caso, você pode usar a fórmula de Bháskara para resolvê-la, substituindo os coeficientes da equação matemática.

10 – Análise combinatória

Essa é a área da Matemática responsável por analisar possibilidades. Você pode se deparar com esse conteúdo sendo cobrado como forma de determinar a formação de um pódio, de times, dentre outros. É importante se atentar para a diferença entre permutação, arranjo e combinação. Principalmente, em qual situação aplicar cada uma delas.

Dicas do professor de Matemática Alisson Marques para fazer a prova de Matemática do ENEM

Saiba interpretar

Exercite sua interpretação de textos, tabelas e gráficos, pois muitas questões são simples, mas sua interpretação é chata. Muito mais importante que dominar os conteúdos que mais caem, é saber interpretar e fazer a questão. Lembre-se que em uma prova de múltipla escolha, a alternativa faz parte da questão. Então, em vez de tentar resolver a questão algebricamente, tente jogar com as alternativas. Isso ajuda muito!

Como lidar com a TRI

As questões do Enem tem diferentes níveis de dificuldade, mas as mais difíceis são mais raras. O que faz a nota se elevar é acertar as questões mais fáceis. Por isso, um erro muito comum dos alunos é querer relacionar o grau de dificuldade da questão com o seu conteúdo. Por exemplo: aluno costuma achar que questão de logaritmo e análise combinatória vai ser considerada difícil.

Mas o grau de dificuldade não está relacionado a conteúdo. Por que? Simples: todo conteúdo tem questões dos 3 níveis. Então, dentro de logaritmo, tem questão fácil, média e difícil. Por isso, na hora de fazer a prova, não pule a questão por causa do seu conteúdo, pois simplesmente por ele, não dá pra saber o nível da questão. Escolha fazer primeiro as questões cujo conteúdo você domina e têm menos elementos para interpretar. Assim, você garante a resolução das mais simples e não perde tempo com as complicadas.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Categorias:
EnemMatemática
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments