Nikoguru

Os ácidos puros mais perigosos do mundo

  • por em 9 de maio de 2021

As substâncias ácidas são “popularmente” reconhecidas como perigosas de serem manuseadas, podendo causar queimaduras graves. O que poucas pessoas sabem que os ácidos são fundamentais para a manutenção da vida e tem uma variedade enorme de aplicações no nosso dia a dia. Além disso, os riscos no manuseio dos ácidos é restrito a um número muito pequeno de substâncias e depende ainda da sua diluição e concentração.

Conceito de Ácido

O termo “ácido” veio do latim “acere”, que significa azedo. Na antiguidade, os produtos que tinham esse sabor, como o vinagre e o suco de limão, eram considerados ácidos. Os conceitos de ácidos que conhecemos hoje foram desenvolvidos pelos químicos Arrhenius (1887), Brønsted, Lowry e Lewis (todos em 1923).

São classificadas como ácido, todas as substâncias que podem liberar íons H+ quando forem diluídas em água (solução aquosa). Por causa da liberação de Íons, os ácidos conduzem eletricidade e na “maioria das vezes” inicia sua fórmula com H (Hidrogênio), mas nem sempre as substâncias que começam com H são ácidas, como a água H20. A acidez de um meio é definida pelo pH.

Ácidos Orgânicos e Inorgânicos

Os ácidos se dividem fundamentalmente em orgânicos e inorgânicos. Os ácidos orgânicos são compostos que contêm em sua estrutura o grupamento carboxila, composto por um átomo de carbono ligado a um átomo de oxigênio por ligação dupla e a um grupo de hidroxila, por ligação simples. Entre os milhares de ácidos orgânicos conhecidos, alguns são de enorme importância para garantir a vida como a conhecemos. Alguns exemplos muito conhecidos são os ácidos graxos, o ácido fórmico e o ácido acético.

Os ácidos inorgânicos são de origem mineral e dividem-se em hidrácidos, quando não apresentam oxigênio em sua combinação, e oxiácidos, quando esse átomo faz parte de sua estrutura. Entre eles, os mais utilizados industrialmente são o ácido clorídrico (HCL), o nítrico (HNO3), o fosfórico(H3PO4) e o sulfúrico (H2So4). O ácido clorídrico ou cloreto de hidrogênio é um gás incolor, de odor forte e tóxico. É muito solúvel em água, gerando a solução que conhecemos como ácido clorídrico nas lojas de construção. Ácido forte é quase totalmente ionizado, e emprega-se na síntese de diversos compostos orgânicos de interesse.

A força de um ácido depende da sua constante de acidez (Ka). Quanto maior o valor de pKa de um ácido, mais fraco ele é. Veja abaixo as classificações:

  • Muito Forte: Se o valor de pKa é menor que -0,35. Exemplos: HCl, HBr e HI;
  • Forte a Semiforte (Moderado): Possuem um valor de pKa de ±0,35. Exemplo: HF;
  • Fraco: Valor de pKa maior que 8.

Os ácidos puros mais perigosos

Ácido Fluorídrico (HF)

Como reage com vidro e metal, tem que ser armazenado em parafina ou em polímeros, como o teflon. Muito tóxico.

  • Plástico: Transforma o plástico em uma pasta disforme.
  • Aço: Gera uma reação forte e transforma o aço em gás.
  • Vidro: Derrete o vidro a uma temperatura superior a 100ºC.
  • Corpo humano: Se absorvido pela pele, causa queimaduras internas e pode dissolver até os ossos.
Ácido Fluorídrico: pode dissolver uma pessoa até os ossos.

Ácido Sulfúrico (H2So4)

O mais popular dos ácidos, ele é usado na indústria e na produção de fertilizantes.

  • Plástico: Dependendo da concentração, derrete o plástico.
  • Aço: Cria uma camada de ferrugem que impede a continuação da corrosão.
  • Vidro: Não reage.
  • Corpo humano: Causa queimaduras graves e desidrata os tecidos.
Ácido Sulfúrico: derrete plásticos facilmente.

Ácido Nítrico (HNo3)

Reage com a maior parte dos metais. Misturado à glicerina e ao ácido sulfúrico, forma o explosivo nitroglicerina, muito utilizado na área de mineração antes da descoberta da dinamite.

Ácido Nítrico: muito perigoso ao ser manuseado, mas não reage ao vidro.

Plástico: Se aquecido a 90ºC, transforma o plástico em líquido.
Aço: Dilui em solução aquosa.
Vidro: Não reage.
Corpo humano: Causa queimaduras e reage com a pele, causando manchas.

Importante: Não estão na lista os superácidos, pois eles não são substâncias puras.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.